+55 (31) 9 9955 -3132 pessoa@carlospessoa.com.br

Trabalho em equipe

Uma equipe pode ser facilmente definida:

São “pessoas fazendo algo juntas numa mesma direção e sentido”.

O “algo” que uma equipe faz não é o que a torna uma equipe; é o “juntos” que interessa.

leõesNa África, os animais predadores que trabalham em equipe (como os leões, as hienas e os mabecos ou cães-selvagens) são os mais temidos porque agem juntos, com objetivos comuns e numa mesma direção e sentido

O trabalho equipe realmente proporciona muito poder e eficácia no alcance dos resultados.

Entretanto, mesmo no trabalho solitário, nem sempre somos modelos de eficiência.

E, se nos falta aptidão para organizar o caso mais fácil – trabalhar sozinhos – como podemos esperar ser úteis no caso mais complexo – trabalhar com outras pessoas?

Já sabemos que a própria individualidade das pessoas pressupõe – pelo menos por princípio – interesses diferentes em termos de conjunto.

Qual é nossa realidade?

Somos uma “cascata” de emoções: egos, ressentimentos, vaidade, inveja, valores pessoais, arrogância, prepotência, crenças, egoísmo, mágoa, insegurança, raiva, cobiça, ….

Sabemos também que os robôs em uma linha de montagem são planejados para trabalhar com precisão. As pessoas não! Quais as consequências?

Motivo Reação comportamental
Vaidade ·         Inflexibilidade

·         Arrogância

Paradigmas ·         Desculpas (“normas”)

·         Resistência às inovações

Pressão, stress ·         Agressividade (luta)

·         Submissão (fuga)

Mudança de papel

(De racional para emocional)

·         Fragilidade

·         Acomodação

·         Rompimento

Ressentimentos ·         Desgaste pessoal e (des)compromisso

·         Atritos

·         Relação “Perde/Perde”

·         Prejuízo funcional

Mas não devemos esquecer que para alcançar os resultados desejados, temos que aprender a trabalhar em conjunto com outras pessoas.

E, para coexistir em harmonia com os demais membros da equipe, precisamos saber lidar e conviver com nossas diferenças

Qualquer empresa pode ser comparada a uma espécie de “corrida de revezamento” onde participam todos os seus colaboradores.

A conquista do prêmio somente se tornará possível se (e somente se) todos os participantes estiverem trabalhando como uma equipe afinada.

Entretanto, é impossível trabalhar em equipe sem se indispor com alguém vez por outra. (É a lei da física: quanto maior o contato, maior o atrito).

Mas existem maneiras de evitar que as rusgas se tornem uma tragédia para os negócios.

Mas, para isso é fundamental que as pessoas tenham uma atitude para uma mudança comportamental.

Eles superaram o conflito abandonando os egos individuais com o objetivo de conquistar o sonho.

No ponto crítico do projeto Manhattan (bomba atômica), George Kistiakoswsky, um notável químico que havia sido o Chefe da Equipe de Conselheiros do Presidente Eisenhower, ameaçou abandonar o projeto porque não conseguia relacionar-se com um colega. 

O líder do projeto (Robert Oppenheimer) simplesmente disse: “Mas, George, como você vai abandonar esse projeto? O mundo livre está ameaçado!”

Assim, todo conflito, mesmo entre os tipos mais diversos de pessoas, é resolvido lembrando a elas a importância da conquista do sonho compartilhado.

Embora cada um de nós navegue isoladamente na própria canoa rio abaixo, o rio está cheio de outros canoeiros.

E o prosperar varia segundo as esperanças de cada um, mas passa obrigatoriamente pelas trocas construtivas entre todos esses navegantes.

Uma estrela só não constitui uma constelação.

Sozinho não conseguimos nem sobreviver. Precisamos do outro para dividir nossas aflições, compartilhar nossas expectativas e alcançar nossos objetivos.

Vivemos em redes de colaboração e conseguimos resultados com as pessoas.

A competência mais importante de um executivo ou gestor é, portanto, saber lidar harmoniosamente com pessoas!!!

Não se esqueçam que maus hábitos são desenvolvidos durante a vida toda. Eles não são modificados com uma palavra. Ordens não dão novas aptidões a ninguém.

Se as pessoas não reagem do modo como você gostaria, parta do princípio de que você é que está fazendo alguma coisa errada.

Tente promover sua mudança primeiramente

A única chance do outro mudar ocorrerá se (e somente se) nós mudarmos primeiramente!

Lembre-se do exemplo do diapasão. Quando você toca numa das hastes, sua vibração provoca um movimento equivalente na outra haste: é a ressonância.

A conduta mais fácil de modificar é a própria.

Você dá poderes a outras pessoas dando poder a si mesmo, primeiro. 

Não tente evitar o problema com o objetivo esquivar-se de um confronto

Se você evitar o problema, nada vai mudar.

No máximo, não fará as coisas piorarem.

Mas, seja qual for a causa do problema, ela não desaparecerá.

Evite tentar corrigir as pessoas

Tentar corrigir os outros também não funciona.

Dizer aos outros o que fazer dá a entender que eles têm uma posição inferior: eles ouvem ordens como acusação! 

Tenha cuidado ao fazer sugestões e apresentar indagações

Uma simples sugestão de mudança pode ser facilmente entendida como acusação: “Você é o problema. Eu tenho a solução.”

Uma simples pergunta pode ser entendida como um julgamento implícito.

Dissipe as emoções hostis do colega

Seu colega não precisa gostar de você, mas precisa respeitá-lo e tratá-lo como ser humano: faça com que ele te ouça. Conquiste o respeito dele.

Lembre-se de Antoine de Saint-Exupéry: “Você sé consegue ver claramente com o coração. O que é essencial é invisível aos olhos.”

Sucesso para vocês. Forte abraço.

Pin It on Pinterest

Share This