+55 (31) 9 9955 -3132 pessoa@carlospessoa.com.br

Como a indústria 4.0 interfere na vida do comprador

Estamos convivendo com a chamada 4ª revolução industrial – Indústria 4.0 (não somente na indústria, mas também na prestação de serviços e até na política governamental).

Mas você sabe o que é, exatamente, a Indústria 4.0?

É um conceito proposto recentemente compreendendo a utilização intensa da internet e dos sistemas cyber físicos digitais e englobando as principais inovações tecnológicas nos campos de automação, controle e tecnologia da informação, aplicadas aos processos de manufatura.

Só que isso muda tudo em todos (repetindo, todos) os campos da atividade humana…

E vai afetar igualmente as atividades de compras que, no caso, seria até mais apropriado se fossem denominadas de “Compras 4.0” de agora em diante.

E você acha que está imune a essas transformações?

Posso garantir que quem acha que está imune a essas transformações é possível que esteja alienado e poderá ser vítima de duas consequências:

  • Ser substituído pela máquina (afinal, os robôs já estão na sua antessala aguardando o momento certo para entrar em ação…)
  • Tornar-se irrelevante para sua organização

A era das Compras 4.0 vai interferir na vida dos compradores principalmente com relação a:

1º) Evolução dos materiais

 

2º) Processos

 

1º) Evolução dos materiais

Veja o exemplo de interruptores de parede:

“Um clássico indispensável em toda e qualquer casa, certo?

Sua função é bem simples: acender e apagar a luz. Mas, com o advento da Internet das Coisas, tudo está mudando muito rapidamente. Todas as coisas estão se tornando ‘on-line’, inclusive as nossas casas.

Isso inclui não somente nossos eletrodomésticos, mas também todas as tomadas e interruptores da nossa casa. Basta dar um comando para seu smartphone: ‘Acenda as luzes da sala’, e o milagre acontece. Bye, interruptores!…”

Com o desenvolvimento tecnológico/digital e dos novos materiais, os movimentos da disrupção já estão se avizinhando de todos. Apenas para ilustrar, os compradores de empresas de construção civil terão que estar alinhados com o futuro, com sistemas de automação digital e não somente com domínio de aquisição apenas de areia, brita, cimento, bloco de concreto e aço (inclusive, no futuro, até o aço não será mais necessário, tendo em vista o desenvolvimento do grafeno).

Se em segmentos de tecnologia menos sofisticada já estamos percebendo profundas transformações, o que podemos imaginar em outros segmentos de intensa atividade tecnológica?

2º) Processos

Existe hoje um alfabeto inteiro de siglas que indicam inúmeras ferramentas digitais e tecnológicas desenvolvidas justamente para facilitar a vida de gestores executivos de compras ao automatizar processos e, consequentemente, deixar as empresas mais ágeis e lucrativas. Algumas delas:

  • SRM (Supplier Relationship Management): Gerenciamento de interações de uma empresa com as organizações que fornecem os produtos e serviços que ela utiliza.
  • eSignature: É uma assinatura eletrônica, mas que utiliza o certificado digital.
  • E-sourcing: Aplicação do processo de compra estratégica com o apoio das ferramentas de compra eletrônica.
  • Cost modeling (cost break down): Oferece o entendimento necessário para diminuir as margens dos fornecedores ao nível adequado e o mais baixo possível.
  • IoT/RFID (Radio Frequency Identification): etiqueta microchip que armazena dados e que pode ser editada ao longo do processo
  • RPA (Robotic Process automation): aumento da produtividade no processo de compras
  • SLA (Service Level Agreement): cliente especificando quais serviços o fornecedor vai prestar e SLM (Service Level Management), que é a medição da eficiência dos serviços prestados.

Continua…

Livro: O comprador

O comprador 

Mas, muito além das ferramentas digitais, é a Internet (a mais importante de todas) que oferece definitivas e infinitas possibilidades.

O sucesso retumbante do “Despacito”, música espanhola que alcançou 3,8 bilhões de views no Youtube é, sem dúvida, inacreditável.

Seu hit, batido e repetitivo, é o tipo do chiclete clássico: gruda na nossa mente, quer amemos ou odiemos.  Mas, nada é mero acaso.

O mindset de seus criadores pode ser verificado por meio de suas palavras: “’Despacito’ foi gestado para ir longe…”

No mindset do universo da revolução tecnológica, as ferramentas digitais estão criando, pacito a pacito, um novo mundo dentro do velho mundo, subvertendo o status quo do management e as lógicas da velocidade, do acesso, dos modelos de produção, comercialização e consumo.

Em tempos líquidos, como os atuais, permeia a insegurança do presente e a incerteza do futuro que produzem e alimentam um medo apavorante e intolerável

Com tantas e inimagináveis mudanças à vista e inúmeras ferramentas digitais disponíveis, não há como deixar de considerar a alternativa da transformação do nosso mindset para sobreviver nesse mundo maravilhosamente louco que, do jeito que conhecemos hoje, vai desaparecer…

As regras do jogo mudaram e precisamos ampliar o olhar e ajustar o foco. Como? 

  • Entender e aceitar que o mundo mudou (“o pior cego é aquele que não quer ver”)

Você não mais carrega fisicamente uma lanterna, um GPS ou uma máquina fotográfica. Tudo isso foi desmaterializado como app em seu smartphone. 

  • Entender o poder dos novos cérebros

Três bilhões de novas mentes da geração pós-internet, os chamados “nativos digitais”, se juntarão à economia global nos próximos anos. Millennials não têm ranço. Desenvolvem plataformas que unem quem quer algo e quem oferece esse algo. Não estão presos a planejamentos estratégicos imutáveis, matrizes, modelos e receitas para se fazer as coisas. 

  • Promover a criação de um ambiente inovador

A criação de um ambiente inovador requer uma estrutura mais horizontal com um modelo de gestão participativo, inclusivo e colaborativo. Para despertar o interesse das pessoas, o chamado para a inovação precisa ser capaz de instigar, impressionar e de engajar. Acessibilidade, inclusão e colaboração são palavras de ordem para criação de um ambiente inovador. 

  • Repensar a cultura e os modelos de negócio e de gestão atualmente adotados

Nada dura para sempre, pode se dissolver no tempo, em perpétua desintegração e renovação. Vale a pena promover a união dos cérebros e buscar uma estrutura com uma visão menos linear e mais exponencial, ou seja, mais leve e feliz.

Pense nisso!

Pin It on Pinterest

Share This

Compartilhe